Postagens

Mostrando postagens de 2013

Levada da breca

Imagem
Quando menina, era levada, sapeca
Fiquei moça, dondoca, um pouco esperta.
Mais moça ainda, casada, acertada.
Passaram anos, alguns anos, levada da breca.

Cabelo encanece, cai e estremece cutículas.
Levo mais de uma hora para espremer uma laranja.
Meio-dia é cedo para tanta bobagem.
Preciso urgente remover maquiagem.
Onde está o homem que me deve a viagem?

Partiu, navio, sem fio, nem mastro, ou fuzil.
Deixou melancólico a vela do Brasil.
Voltou estapafúrdio e negociou com mais de mil.
Assim acaba a História, da moça velha. Num país Tropical sem igual.
k.t.n.*

Ecos de Natal

Imagem
Vozes... quantas vozes fazem ecos!
Solidão entre becos.
Paisagens ferozes enlouquecidas.
Trazem nos sacos
Próprias vidas.

Vorazes vozes dos violinos capazes.
Viram poeira e grãos de mostarda.
Sujam o avental o talhe de madeira.
A boneca da menina.
A esfinge de vermelho.

E nas horas mortas da cozinha.
Assa o bolo e a farinha.
Coze o pão, derrama o leite.
Limpa o azedo da carne fria.
Embolia que não se freia.

Passa o carro na rua direita.
Continuam os ecos tortos.
A voz renitente e fria.
Soou Maria a prece,
Jesus ouviu,

É Natal outra vez!


k.t.n.* in festa &

Estrelas * * * e s p a n t a d a s * * *

Imagem
Arte by Andrej Mashkovtsev

A mulher que tinha Sol na cabeça/
Espantou as estrelas/ 
Estas só por raiva/ 
Combinaram muitas cores/

Hoje vemos no céu/ 
Pontilhados de azul/ 
Verde, laranja e amarelo/ 
E as mais insistentes prateadas/


Foi assim que as estrelas douradas/ 
Vingaram-se do brilho do Sol./ 
E a Lua companheira/ 
Assistiu sorrateira/
Emprestou a sua cor / 

E por isso se transforma...
Enquanto as estrelas bordam.

k.t.n.*** in estrelas

Cardume

Imagem
Uma lágrima cai, porque o amor não veio.
Um sentimento dói, porque não se viveu inteiro.
Uma menina ri da própria sorte e do saci.
Não é mês de agosto, é mês de festa, quase janeiro.

Uma promessa e uma viragem, um passeio e miragem.
Fazem folia no olho d'água, viram espinhos sangrando a Cristo.
Tanta promessa, tanto olho visto, tanta espera, tanta mentira.
A irmã dos olhos grandes, salta ilusão e santa coragem.

Um por um os carneirinhos vão, os peixes buscam escamas douradas.
Encontram pelo caminho porteira, brandos espinhos, tatuagem.
O Sol e a Lua, num momento vão, olharam-se e confirmaram.
Dia de festa na floresta pode chorar que o olho não empresta.

Motivos à saudade vã, fútil e derradeira; seus olhos brincam
E de primeira sua mulher, então companheira, fugirá do altar.
A noite inteira, pegará espinhas dorsais e entalhes mil.
Chegará a ti pronta ao amor e o sentimento maior será inteiro.

k.t.n.* in festa derradeira

Roubadas e amadas!

Imagem
Flores roubadas são flores amadas.

Continuarei a roubar,

Na varanda do vizinho.

Na calçada do passeio público.

Nos vasos esquecidos sobre a mesa.

Na prateleira da mulher esquecida.

Na mesa do funcionário público.


Flores roubadas são flores amadas.

Nas cores e no perfume.

Pelas corolas, sépalas e pétalas.

Pelos talos, folhas e viço.

Pelas meninas, crianças e senhoras.

Mais pelas idosas, caprichosas.

Não têm lastro, mas têm cor.

Sabedoria,  amor e visgo.

Roubem as flores!

Não as deixem secas

À beira do caminho.

Flores roubadas são flores amadas.
k.t.n.*

Bordado

Imagem
Minha mãe me ensinou a bordar.
Mas o braço não obedece.
Inflamou!
k.t.n.&

Flores

Imagem
Entrego flores perfumadas em pensamento Preciosas não murcham Não perdem a essência o perfume
Sempre viçosas carregam brilho e lume  Entrego flores de jardineiro De mãos cuidadosas e adubos na medida
Em pencas e cardumes de luminosidades Enfeitam jardins pela eternidade. Assim desfaço-me da despedida.
Aos amigos da Face,  Entrego estas flores sempre perfumadas.& Em tom maior.

Prata é ouro!

Imagem
"Quando um gato fala, todos os cães se calam."


 ... É meia-noite!


 Hora da prata. 


 Inverno paralelo.


 Mia que te escuto. 



... k.t.n.* in foice

Querubins

Imagem
Entorno a minha cabeça,
A testa lhe é oferecida O beijo terno e amoroso.
E ausculto o coração
Bate in no compasso
Auréola de paz e bênção.
Sentimentos...

Presa à tua mão à minha.
O fragor da tarde cai.
Andamos passos lentos
Silentes neste tempo solto
A roupa baila fluida
Oferecem-nos taças de licor.

Alvas lembranças e cor nos lábios
Rosados puxando ao carmim
Festa de noivado e amor
O brilho dos olhos sem fim.
Algodões anjos querubins
Serafins e trombetas nos cantos.

Harpas, piano, cítaras...
Em breve, bordado o pano
Um par de belas xícaras!.



k.t.n. em o príncipe chegou.



Pimenta

Tanta pimenta   não sei se aumenta. Tanto sal
não sei fazer mingau.
Tanta polêmica,
deixei a violência.
Enorme preguiça,
nem fugi da polícia.
A falta que faz
o estúdio capaz
De fotografar a tua notícia.

O saco de estopa,
o arroz e o farelo.
A menina e o sapo
do livro fugaz
Tenciona trazer
goiabas e mangas.
Em tempos de chuva,
melhor os bolinhos.
Café e pouco leite,
manteiga e calor.
Um pouco de espera
do texto inda em flor.

k.t.n. in pouca produção.

Quem com o ferro fere...

Imagem
Kátia Torres Negrisoli compartilhou a foto de Antonio Guzman Capel.
Por Tê Caroli. Isto é um abuso na net! Este ferro de passar e engomar! Faz-me lembrar de minha mãe e avós. Ela passava a roupa, soprava a brasa e eu preenchia o caderno de caligrafia com as frases que a professora do pré-primário (era este o nome) passava. Recordo-me de uma frase que insistia em mim com um turbilhão de pensamentos: "Quem com o ferro fere, com o ferro será ferido."e escrevia, escrevia de novo nas linhas subsequentes e o cérebro martelava indignado; medo de ser ferida, de ferir, não entendia direito o alcance daquelas palavras, mas escrevia e achava estranho, olhava o ferro nas mãos de minha mãe, ou da Zéfa, nossa empregada (Era assim que se chamava.), que trabalhou conosco por mais de vinte anos, passando e assoprando. Sentia o calor daquele ferro e escrevia a frase... sentia temor, não entendia direito, sabia que não era algo bom. Vieram outras frases, mais fáceis de entendimen…

Pimenta

Imagem
Tanta pimenta que não sei se aumenta.
Tanto sal que não sei fazer mingau.
Tanta polêmica, que deixei a violência.
Enorme preguiça, nem fugi da polícia.
A falta que faz o estúdio capaz
De fotografar a tua notícia.

O saco de estopa, o arroz e o farelo.
A menina e o sapo do livro fugaz
Tenciona trazer goiabas e mangas.
Em tempos de chuva, melhor os bolinhos.
Café e pouco leite, manteiga e calor.
Um pouco de espera do texto inda em flor.

k.t.n. in pouca produção.

Eleve***

Imagem
Bons sons  &

bons sonhos!

Mesmo acordada!
Leve o vento pelos ares quentes 


 Este sopro invernal 
Quente de doer a pele 



Para embalsamá-la com neve de chocolate 
Derretendo enevoando as costas úmidas 

Cantarolando pérolas de beijos 



Na pele úmida enegrecida 

 Cante o sonho bom 

 Hora do amor. ***


k.t.n.*& in estampa


kátia

Imagem
Meu nome é forte.
Meu eu é Norte!
Afogue suas letras.
Pentagramas, sílabas.
Frases tortas idílicas.
A poesia da antologia.
Imagem
UNTITLED II YOUNG,
by Fabian Perez.


Verte o sangue líquido e refaz teu verbo. 
Santifica o corpo demonizado pelas ideias.  Enxuga as lágrimas com vestes de linho. E o Cristo não santificado jaz na cruz.

...

Imagem
Preciso, imensamente, dos poetas e suas travessias!
A vida lateja onde o verbo se presentifica.

Indo...


Encontro grandioso no Festival de Jazz de Macapá: Annie Carvalho, Patricia Bastos, José Inácio Vieira de Melo, Oneide Bastos, Euterpe e Luís Serguilha — com Luís Serguilha e outras 4 pessoas em Macapá.





Colares, tiaras e tronos.

Imagem
O homem que me amar,
Há de me dar estes colares!
Brincará com o meu colo
Anelará  meus cabelos. Com  peças multicores.

De colares fará tiaras.

Dos retorcidos, coroas!
Delicadas e abusivas,
Densas, enfeitadas.
Dignas de uma rainha!

E me sentarei no seu trono!

k.t.n.&

Amor

Imagem
E me dou amor 

Seja do jeito que for
Amor Enlatado,
in vitro Engomado,
passado Amor, 
amor Amor com dor Com passas Alho e óleo 




Massagem Peito e egos
Fronteiras inescrupulosas 


Na rede, na rede 

Daisies

Imagem
Margaridas, 


Dentro delas há um sol misterioso,

Profundo e humano. 

Simples na graça e bondade que inspiram. 

Ternas e alegres. 

Repetem-se aos pares em seus pedúnculos

E nos sorriem, 

Timidamente, como meninas

Vestidas em suas jardineiras dominicais.


k.t.n.&

Das delicadezas!

Imagem
Adoro rendas, sutilezas! 
 Belezas!
 Raras, infinitas pequenas! 
Par de esmeraldas! 
Janelas espraiadas! 
Mar assombrado
Correndo para longe,
Deixando nas vagas 
Conchinhas na areia! 
Estas ímpares e sem par, 
Contar, contar... 
sair, 
navegar, 
Pedras de anel e colar!

k.t.n.&


No limite!

Cansada... muito... !

Limite, limite, limite... tem vez e voz!

O outro tem o seu lado!

Limite, limite, limite, tem voz!

Tem paz e voz!

Voz e paz!

A lei do limite é a lei do silêncio!

Limite, limite, limite!

Se não pode beijar, deixe a cusparada!

Não no chão, não quero limpar!

Sujeira pouca é bobagem!

Limite, limite, limite! No limite!

Do chão, do avesso, limite!

Cansei!

Tanto mar...

Tanto mar, tanto mar...
Tanto por navegar!
Ai, Camões...
O que fazer nesta imensidão?

k.t.n.*

?

Se eu tenho pressa?
_Não! Já cheguei.
k.

Para António Ramos Rosa

Um poeta não morre. Amadurece. Dilui-se no oceano infindável das palavras. Fenece lentamente deixando as efemeridades da vida. Fruto do acaso. Nasce noutro lugar, brota mansamente. Pontilha horizontes. É Sol. É céu. é mar. É Lua. Fulgura! Atinge sombras abissais. Socorre gritos e ais. Poeta, oh, poeta! Finge sua dor, entrega todo o seu amor. Legítimo panteão da igualdade. Empresta o seu sorriso, a sua prece. Ligeiro desaparece, é só uma curva, em torno do rio. Ao longe, retorna sorrateiro. Despiu-se por inteiro! 

k.t.n. in poetas não morrem, deixam ferida acesa.

Lavanda tu!

Imagem
Esparge o perfume da lavanda/ Leva tua alma longe/ Onde os cativos não podem se empenhar/ Banhe-se neste perfume insone/ De celebrar a vida na calmaria/ Contente-ta com a porção que te cabe/ Homem, mais do que tudo és criança na Terra/ Ela devolve em astrolábios exatos tons carmins/ Sangue de veias e artérias/ Presilhas presas nas paredes/ Afago e quentura, abraço e ternura. 


k.t.n.* in treino matinal.

Feijão

Imagem
As pedras me calam, mas não me silenciam.
Vago entre pedriscos e risco na areia.
Bobagens, fantasias, delicadezas, tortuosas veias.

Tempero o caldo grosso do feijão
Para as vozes noturnas,
Quando as corujas pousam.

As pedras estáticas predadoras ocupam muito espaço.
A coruja cicia e no grito as pedras se movem.
Rachaduras enfeitadas por gramíneas se mostram.

Por toda parte, por todo aço.
Espargem.
Espargem.

O grito!

k.t.n. in coruja fria.

Miniconto moderno em linguagem de face.

Imagem
Imagem: Redefor-Unicamp
Kátia Negrisoli Hoje foi um dos dias mais inúteis dos últimos dez dias da minha vida! Nada deu certo! Faxineira? Evaporou com a chuva? Fisioterapia? Perdi a hora, porque fiquei esperando a faxineira que não veio! Internet? Nada! Acho que deu bug! Todos resolveram acessar o mesmo site ao mesmo tempo, por conta da chuvinha, claro! Bem, consegui almoçar, pequenas compras na rua, embrulhar dois presentes, tomar café da tarde, jantar, lavar pouca louça, tentar dormir, embora o fone tocasse com a penca de gente dando recado atrasado, ir ao Centro Espírita e agora dar uma de ma'am no face, afinal, eu dormi à tarde, postei fotos, não precisei de bolsa de gelo, nem de água quente, nem remedinhos, só chá! Porque chá, além do café, porque eu não existo sem café, faz bem! Acho que farei mais um! Pronto! Relatório feito! Agora à produção oficial de textos, enquanto minhas mãos puderem digitar! Porque os dias não esperam e eu me cansei de esperar pelos dias…

Das delicadezas

Imagem
Gosto das delicadezas,
Destas todas,
Pequenas.
Lindas.
Caídas do céu.
Pintadas à mão.
Tão pequenas, mas tão pequenas!
Que não se pode divisar.

Destas que se sente.
Uma gotícula.
Uma semente.
A passagem
O botão.

A casa de brinquedo.
Muitos meninos
E um segredo.

k.t.n.& in quando o amor canta.

Cristais

Imagem
Kátia Torres Negrisoli O que eu penso me pertence.
Os líquidos que carrego são meus.
Encerro em mim e morro de morrer!
Minh'alma cansou de ser corrompida.
Pede paz e solidão!
Deixa um pouco de amargura. E vai serena em novas procuras.

O homem parte com seus palavrórios.
Sua tristeza e seus encantos.
Uma face distorcida pelo tempo.
Deixou vento e secura tantos.

Uma família que não existiu.
Cem anos dividido por dois.
Um cão faminto sem dono.
Uma tarja preta no caminho.
Uma tristeza que não se divide.
Guarda-se e vive-se sozinho.

Era uma vez a brincadeira!
Ser feliz e não ter vez!
A vida um pranto distante.
Da música dos ouvidos latentes.
A maior parte ledo engano.
Chuva de cristais em longo pano.

Melhor a parte da partida.
Pior a parte da despedida.
O amor que era pequeno.
Virou fagulha e se perdeu.

Num dia 7 de setembro.
A independência já morreu.
Fartou-se de veneno e pranto.
Deu seu grito e feneceu. k.t.n. in desencanto*

Chuva miúda

Imagem
Sem chuva, sem frio, sem poesia!
A tarde na noite fria descompensa.
Não atende à diferença.

Enorme distância entre paisagens dominadas pelo vento.
Empoeiradas e engaioladas, indiferentes.
Uma tarde que cai, uma chuva que vai.

Seca o nosso orvalho, estupidifica a quietude sempterna.
Arvorece a aquiescência das flores, espalha pólens, vento!
Sempiterno, semente  nasce de pedras, um protoplasma.

A viragem estonteia, vagueia nos celeiros noturnos.
Os olhos volteiam, os cílios penteiam sobrancelhas viúvas.
Um acabar de se querer, um não ter fim.

Carmim.
Pó.
Ruge.
Foge de mim!

k.t.n. in treino primaveril.
Agradando as margaridas!

...

Imagem
Pintura by Fabian Perez

Nas fumaças da vida, 


perdi o melhor dos vinhos, 


entornando o meu whisky!

Sibilagens!

Suave sono/ silencio e sede/ sinistra sala/ sozinha/ só / suave entorno/ Deus, abençoe as suavidades!!

Sobre amor no Face!

Imagem
Kátia Torres NegrisoliPorque eu me disponho ao amor! E ele vem! De muitas formas! De muitos jeitos e trejeitos, às vezes, até sem jeito! Mas vem! Adiciona tempero, horas aos meus minutos! Retorna faceiro, ligeiro! Alguns demoram, mas chegam inteiros, em plena forma! Assim são as nuances de amor, como as várias cores da primavera! E brilham, como ao Sol as pétalas tingem nossas retinas, já não tão fatigadas pela presença do Universo. há 6 minutos · Curtir Kátia Torres NegrisoliE assim, disponho-me ao amor! Ao amor fraterno, terno, conjugal, maternal, carnal, Amor-Amor! Pois amor com amor se paga! há 5 minutos · Curtir Kátia Torres NegrisoliE amo as palavras! Palavras-AmoR! Palavras-Sentine