sábado, 29 de junho de 2013

Vazia

Aluno



  1. O aluno fugiu! Comprou um IPhone míni e se enterrou! Mascou um chicle de menta e se lascou!Que é destes meninos? Tão vadios imersos vazios?
    A sala grita e profetiza.:  _Ao mestre com carinho sonho sozinho.
    E, no imerso da lousa gigante, o canto servil das massas reinantes acende um dobrado, faz um calado, não torce cajado. Esparrama. Lama. Mentes profusas, rainhas inquietas, destes meninos de açoite trazendo a viola, sem notas, sem cordas, sem letras, vazio só !
     A sala.
     
     k.t.n.* in libertação

"Procura da poesia"







Procura da poesia . 

Noite fria . 



Ajustes de melancolia . 

Sala guardada . 

Vidro quebrado . 

Tamanho fumê.



 Tardia . 



Urge o pato de borracha . 

O pároco da igrejinha .

 São dias . 



Emblema e poema,

k.t..n.& in arrumando a casa.



domingo, 23 de junho de 2013

Tempo tempo tempo!

Saudades do tempo em que tinha tempo para sentir saudades!
O tempo me reinventa, num musculoso carrosel.
Reitera os minutos a cada segundo e não permite ressalvas.
Malvado, malandro, astuto e cruel, só passa, só passa.

Uma fome interna de sorver aguçadamente as mínimas gotas.
De poesia ou formas de arte em sombras passadas.
E retira de tantas esperas as saudades das retinas fatigadas.
Não ao tempo do crochê, do tricô e do bordado falado.

Malfadado destino atropelando corceis e vespas noturnas.
Tão misteriosos os artífices do engano e pouco pano.
Ainda deixam nas mãos um cheiro doce de lavanda.

E olhos ao derredor confirmam: pouco tempo, pouco tempo!
Noite escassa, dias fluidos, tardes que não se fazem.
E a moça morena ao olhar-se no espelho encontra fios brancos.

k.t.n. in doce tempo perdido.

domingo, 9 de junho de 2013

Leite perdido


  1. Perdi um livro!

    Não foi o "Leite Derramado".

    Este entornou-se sozinho.

    Derramou-se em gavetas longínquas.

    Ficou.


    Era primavera e ninguém sabia.

    Nas esferas de ostras pérolas.

    A nata pendeu.

    Virou.


    Manteiga em pão amanhecido.

    Tanto esquecido fora o esquecimento.

    O Alzheimer enfeando a fome.

    Nevou.


    Letras tortas penderam.

    Verteram-se ao sabor do vento.

    ou do leite desarrumado.

    Em pétalas de flocos brancos.
     


    k.t.n. ***



sábado, 8 de junho de 2013

Pacífico

Acordo com música
Sobrevoando o Oceano.
Não sei se Pacífico ou Atlântico
Nuvens trafegam.

O solo chegou!

k.t.n. in sonho

Breve ensaio sobre a paz.

A paz daqueles que me cercam.
É me tão cara quanto a da criança dormindo.
Refúgio em alto mar e zelo em solo.

Sonho?

Realidade em possibilidades - tangem alhures.
Respingam.
A chuva serena ===
É dia, vinte e quatro horas ininterruptas.

Real!

Cada centavo deste louco.
Zomba "parrots"e arlequins.
Carnaval aqui e ali.
Em mim, felicidade.

k.t.n. in ensaio para a vida.

Prenda

Trabalhar na barraca do peixinho.
Olhar crianças orientadas pelos pais.
Peixes grandes e sonhos saltando.
A prenda agiganta-se aos olhos.

Ele salta da bacia d.água:
G R A N D E !
Batem palmas os adultos.
A órbita brilha e gira.

Mais um dia de trabalho!
Ah, se todos fossem assim!

k.t.n. in ofício *pescador

n a d a

Um peixe nada.
Dois conversam.
Três distraem.

O bloco se dissolve.

k.t.n. in peixinho e nada

Blog

Meu blog, onde está meu blog?
Há dias não o vejo.
No me puso a enamorar.
Canciones y palabras.

Las ternuras abarcarón-se de mí.
Lejos mi ojos entoraran la bacía extrema
Ventanas abiertas al viento.
Bajo calor en tierra extra'na.

Es la virge en su dolor.
Un ni'no a cantar.
La prece de la virge.
En solo gentil y figurado.

Muchas gracias,
Señor! El passante resplendor.
Un solo quiente y viejo.
Mis pálpebras in dolor.

El cantante en paseo público.
Una mujer, una virgem es possible María.
Y mis sueños se enredam
Na curva lenta del mar.

k.t.n. tentando hablar

Brasil

Os homens brigam. vida foge. a mocidade enruga a testa. fogos em praça pública. dinheiro solto. perdido. de todas los vinos y ensaladas. hace un postre. una aventura en solo. o Sol volta.

Brasil!
Pátria amada!

k.t.n.