sábado, 31 de agosto de 2013

...


Solitária é a vida!
Solitário é o amor!
Solitária é a arte!

 

De tudo
 um pouco faz parte!

...

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Vestidos e tramas.

  • E a mulher veio, carregada de vestidos./ Tramas e sutis rendas./ Tracejando o corpo inútil à procura de abrigo./ E a mulher veio./ Sem correr, sem pressa e aconchegou-se./ Experimentou o claro pastel e estridente canino./ Voltou!/ Era hora de partir./ Deixou casa, filhos e país./ Prosseguiu docemente sua viagem e não era rumo a Paris!/

  •  A mulher carregada de vestidos levantou a saia./ Olhou-a preguiçosa./ Que saia mole e insidiosa./ E vestiu a saia e tomou todas as saias da ilha./ Vestiu coroa de flores./ Enfeitou-se toda! Pôs vela e candelabro, lamparina e pelo de gato! Era um dia de bruxas ou fadas, não se sabe ainda.

  •  Carregando todos os vestidos e saias, tarefa árdua e pesada./ Decidiu jogar no mar, aos peixinhos que sabiam nadar./ E tudo se desfez, dilui-se./ A mulher, os vestidos e as rendas./ As saias? Ah, estas estão a brincar de rodar!!! Porque todos os dias são azuis! 
     
     
     
    k.t.n.* in Katherine&

Flores do mundo!







segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Sabor & Cores na Avenida

Arte by Cristina Botallo



Sabor & Cores, Violetas & Amores.
Não precisa combinar.
Quanto diferente, melhor.
Há escolha e pode ser fatal.
Uma prece não faz mal.

Há o dia que corta o meio-do-dia.
A inebriante nevasca que cai.
Do nada, do nada, do nada.
As violetas chiam em passaradas.

A cor enaltece, embeleza.
Nada empobrece o sabor.
Fácil e dócil ao tato,
Contato de esmeraldas famintas.

Um dia, um Sol, uma estrela.
Longínqua e paralela.
Na avenida/transversal.
Sem esperar o sinal.

Hora da Ave-Maria!

In Catherine.


Frutas

Porque de frutas também vive o homem.
E de toda a palavra sã que sai de sua boca.
De intempéries cruzadas nas tempestades.
Habitadas por lobos e lobas famintos.

Adoçadas pelo mel em equilíbrio.
Constante bonança, fator esperança.
A taça colhe, recolhe, enternece.

Devolve numa prece, numa escuta, num Deus.
Um copo de cicuta, um barbitúrico qualquer.
A navalha da carne fibrosa partida em grumos.
A fumaça se esvaindo, o barulho da rua.

Era nua. Era lua. Era nua. Era sua.
Torpedo de cores! De vaidades despida.
Aliança perene e serena, a mulher serrana.
Era nua, era tua, era lua. Alquímia e paz.

In Catherine

sábado, 17 de agosto de 2013

Erickessen Sauer

Oi, uma honra tê-la tão perto deste quem escreve-lhe.

Afrodite excedida por Kátia em Beleza

A ti

Ai de mim! Ébanos Cabelos a quem amores em prisões tecem
Ó tu, Mãos de Fina Renda quem regem diária sinfonia de vida
Ah! Sri Lanka mares orientais o berço da pérola-deusa perdida
Nume mais amada e admirada onde sonhos puros adormecem


Veja Olhos Mouros ao lume da caixa filosofal que se enaltecem
Tais quais os doze raios do sol presos por branca nuvem vívida
Da rosa negra matiz multicor perpetua um ecúleo dor da ferida
Sim um verdadeiro amor doa-se às boas almas quem perecem


Lábios com vivas cores da paz do meu amor seta quem não fira
Pois devaneios dulcíssimos façam-se causa de agrado da paixão
Em si o próprio Zeus ao trono no Monte Olimpo por eles suspira


Tu, deusa da perfeição de dom encantador ao amor do coração
De quem traduz-se pelo nome e sobrenome deidade rara safira
Na parte de Kátia em breve boca vive sua inspiração da geração

Obrigada, à  Erickessen Sauer
por tão belo poema!

Kátia Torres Negrisoli

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Rendas brancas no varal


E jogo a beleza, ali.
No varal.
Mais perto da cozinha.

 
Infinitas belezas.
Almas bordadas.
Cicatrizadas.

 
Neve.

k.t.n.* in Catherine.

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Sob teus pés

  •  E Deus salvou a mulher.
    Colocou um Adão sob os seus pés,
    Na noite fria do início frio. 
    E Deus, também, salvou o homem. 
    Colocou a reptícia em alto retiro.
      
    E no princípio foi assim.
    E no meio deste princípio,
    ...a abotoadura falsa.
      
     Nas horas pungentes, próximas ao fim,
     Deus salvou a ambos.
    E exortou a serpente, ao seu alto retiro.
    Como dois bons meninos,
     o homem e a mulher comeram da mesma fruta. 
     E o rouxinol cantou. 
    Dias de Deus na Terra dos homens. 

    Catherine de Gasperi
  • Respeite autoria.

domingo, 11 de agosto de 2013

Homem




E te bordei na imensidão.
E com carinho desabotoei tuas roupas.
Todas elas, as mais sérias, sisudas.

Do toque sutil à pele em evidência.
A roupa marcada: homem!
Essência.

Cheiro.
Aroma.
Palavra rara!

E dorme, mansamente, na aurora do dia.
Aconchegou instinto e hormônios.
O beijo. o beijo. o beijo. Atestou.


E fizemos mais um dia.
O amor.
A vida em continuidade.

Porque nem todos os dias são rosa!



Catherine de Gasperi, respeite autoria!

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Sutura



  Arte by Alexander Shubin.


Costuro este corpo que já não me pertence.
 
  • Suturo e ato. 
     
    Adio a dor para amanhã. 
     
    O peito rasgado fica para depois!

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Silent

 













Os potes do silêncio se derramam.

Cílios em profusão batem uns nos outros. 

Procuras vãs endireitam o passo. 

E a chegada premeditada não existe. 

 Nada existe. 

Efemeridades pertencem à rota do caminho. 

E o silêncio, o doudo do silêncio permanece encardido

A fresta pela qual tenta burlar a dor é cega. 

A visita partiu, não voltará. 

Trocas se desfazem num canteiro indiscreto, 

onde formigas cortadeiras passeiam, roubando as teias das aranhas. 

Há um sublime toque de alfazema gigante. 

O sonho, este constante, volta! 


Katherine de Gasperi.

k.t.n.* in silêncio profundo

domingo, 4 de agosto de 2013

Lisa

  •  A brisa lisa estica o lerdo braço.

  •  Estabelece planos, o fato.

  •  Cala a boca, do incauto.

  •  Hora de partir.

Margaridas tolas


Entre colchões e espumas, a bruma.

Aproxima-se e turva a vista, toda.

Deita o mel em lânguidas passaradas, a língua.

É fato, é feito, é carinho recorrente.


Uma farpa, uma angústia, uma crente.

E a vista deu-se a  perder, razão.

O cume avista o solo, toada.

Tolhida e turva, tenteando tentáculos.

Tateando telhas tolas.

Tudo torto, tentativas todas.


E a espiral do tempo levou o nome perfeito.

Para longe, nesta imensidão do vento.

E a taturana da esfinge negra.

Relanceou o fato, a cerveja, a prece.




E as margaridas todas agitaram-se nervosas.

Procuraram um lugar ao sol para bocejarem.

As hastes revelaram-se fracas, rompendo-se.

Era nova aurora, nova manhã, cinzenta!

k.t.n.* in horas de cinza

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Luas morenas




Passo luas e estrelas, 

São luas e estrelas o que lhe desejo. 

Pintadas da mais alta transparência. 

Pequenas ou grandes, luas e estrelas! 


Rodo a saia menina, 

Rodo a saia cabocla. 

Saio da roda pequena,

Enfrento a cadência morena. 


Katherine, in dias morenas.