domingo, 24 de fevereiro de 2013

baixo e breve



















Hoje estou pisando assim:


-leve

-baixo

-breve.









k.t.n. * &
Remova a noite, remova a vida.
Fique enternecida por uma canção.
Sugira a paz e o amor.
Encontre relógios atrasados.
Fosforeça o alvorecer num espanto.
Entregue-se.


Devore a alma sentida em prantos.
Como se fosse um prato de cebolas redondas.
Estabilize passado e presente.
Dê-se um contentamento.
Arte certa e passageira.
Roube um doce alheio e refestele-se na areia.
Brinque!

Maltrate os passarinhos e alise as penas caídas.
Terás uma História para contar.
Um amor para viver.
E  pérolas d.água para recolher.

k.t.n. in treino

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Ferida acesa!


 René Magritte


O tempo amalgamou meus sentimentos



Sou tempo em espera


Solidão lenta


Amargura estanque


Ferida aberta


Catapora sem ban-daid.


 k.t.n.* in mácula

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Um GateeenhO!

  • Era uma vez um gatinho! Um não, dois! Dois não, três. Acho que foram mais de meia dúzia de gatinhos, perdi a conta. Bem vamos começar de novo a História: "Era uma vez um gatinho! De olhos bem abertos e brilhantes, lúbricos, atentos e mostrando indiferença. Encostava-se nos pés e pernas, enroscava-se. Tinha a estranha mania de se oferecer aos enroscos usando a calda e todo o corpo num adereço de sedução.

  •  Fazia festa e enrolava-se na malha imaginária do tricô e novelos espalhados pelo chão. Vendia seus dotes como dono da casa e espalhava cinzas, cruelmente, por onde passava.
     
  •  Emprestava seu ar enfastiado quando sentia que o peixe do dia perdera o sabor. Era exigente. A façanha desta criatura foi correr pelo quintal e descobrir lugares de plantas de jardim e correr pelo jardim descobrindo plantas perfumadas como frutas tropicais e mediterrâneas. Sim, seu faro se postava inconfundível entre os insetos e borboletas que visitavam o jardim e o quintal.

  •  Irrequieto e exigente pousava o felino as patas e espreguiçava-se sob o sol numa atitude de rei que recusou a coroa. Bem, mas isto são detalhes a mágica e alegria da História é que "Era uma
    vez um gatinho..."pousou seus olhos em outros olhos, soltando faíscas de reconhecimento e brilhavam, intensamente, afastando presságios e medos, corrigindo distorções de visão noturna
     
    Passeava pelos beirais, diuturnamente, emprestando a sua agudeza felina e impressôes de passos de veludo.

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Nau




Seguirei este navio. 
nau sem fim. na escuridão do cais,
na profunda imersão dos polvos e tarântulas gigantes. 


Seguirei. 


Invadirei passarelas tardias de pó e os porões infectos de nove-horas. 
Direi das peias sem demora.
hora de lançar velas, dourar as iscas, aventurar-se.


Mar sem fim. é assim. 
Mar sem fim. ri de mim. 
Mar sem fim. desavim. 
Mar sem fim. encontro assim. 
Orelha a orelha, tapa a tapa, 
cara a cara, perto de mim. 


 k.t.n. in escuna fria.