terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Coldplay - Christmas Lights

k & Ars

Teu poema está rico, abre-se em múltiplas e belas possibilidades. E cometeste o erro, dizendo que eu poderia alterá-lo. Amo fazer transcomentários, geralmente mexo em tudo, irrito, mas às vezes até ajudo, por oferecer possibilidades.

Vê se fui irritante demais:


nem todos os dias são obscuros

há o encantamento sutil



(a sinergia de sóis)



da poesia


nem todos domingos



são letargia:



vibram alvoroços nos varais



quintais jactam flores

o rasante astrolábio não pára de pintar

corolas azuis e perpétuas

sobre o telhado



há a publicação da efeméride

pulsante nas veias cavas nas

curvas dos ossos talhados


e silêncios rasgados pela chuva inquieta

há a mulher: trêmulo abrigo
do poeta

Bjs

Adriano Wintter
Blog Ars Poetica
http://adrianowintter.wordpress.com

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Pág 120 do livro de Assis de Mello, NA BORDA DA ILHA.

Uma Cena Boreal

(Para Kátia Torres Negrisolli
Beatriz Bajo & Bárbara Lia)

Teu vulto claro
e cereal
embebido na manhã lapã
como a coruja do ártico
em sua leveza

estende-nos
num trigal deitado
ao vento

ao som
de duas ocarinas

e não há trópico que desdenhe
de nosso calor certeiro
e liberto
de ave

>>>>>>>>>>>>>>


Patos enfileirados
fecundam
horizontes


A FORMATAÇÃO NÃO É A ORIGINAL.

ESTA PLATAFORMA NÃO PERMITE A CORRETA DISTRIBUIÇÃO DE PALAVRAS E SÍMBOLOS.


VIVA, ASSIS!

BUDA,

CHICO,,,,,,,,,,,,,DOROOCÊ!!!

Bundchen!!

domingo, 19 de dezembro de 2010

!Gracias! II

Nem todos os dias são obscuros,

Sol pálido, letargia...

Há, amiga, poesia!

Há o entrelaçamento sutis de energias-palavras.

Sinergia, encantamento, pensamento.


A vida.

O abrigo.

Os varais.

Os quintais.

As flores.

Os poetas.



O silêncio rasgado pela chuva inquieta do Sol.

O astrolábio a pintar corolas azuis de perpétuas rasantes sobre o telhado.

A publicação da efeméride pulsante nas veias cavas e curvas dos ossos talhados.



Há o poeta.

Há a mulher.

Há o abrigo.


Enfim . . .


k.t.n.*&

!Gracias!, Ars - Adriano.

Oi Kátia

Olha como ficou aquele poema feito-de-ti:



abrigo



para Kátia Torres



toalhas e lençois

bailarinam nos varais



a chuva xinga o silêncio



flores formam buquês

meninas hostes

aves bandos



e todas

com medo dos relâmpagos

correm pra dentro do verso



onde adormecem

esperando pelo sol

e um toque
do poeta


Adriano Wintter
Blog Ars Poetica
http://adrianowintter.wordpress.com

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Natal

Não me tolhas a tua alegria,

Ela faz parte do meu dia!

É Natal ,

Espargir,

No ar, gritos abafados.

Re a gir !

k.t.n.*

domingo, 5 de dezembro de 2010

Mineiras


Se teus olhos me veem em conjurações mineiras
Se, em passos incertos incendeiam e clareiam
Se em tinos ou desatinos traços certo destino
Então, rendo-me e devolvo os fátuos dobrados.

Se a alma inda encanta e dança,
Mesmo prostrada, levanta-se.
Então, enriqueço o lasso fato
Permaneço e não desato.

Entre os abrigos cavernas-escuras, o dragão urge
Formosuras tuas e enervas o fátuo dobrado
E elevas em enlevos alturas.
Figura certa, figura casta, figura encrustrada na pele sedenta.

Encantos, lilazes, fugazes.
Santos, malditos capazes
A fera solta anjo revestido
Busca a mão que escapa, num momento sentido.

k.t.n.&*