quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Miniconto moderno em linguagem de face.

Imagem: Redefor-Unicamp

Kátia Negrisoli Hoje foi um dos dias mais inúteis dos últimos dez dias da minha vida! Nada deu certo! Faxineira? Evaporou com a chuva? Fisioterapia? Perdi a hora, porque fiquei esperando a faxineira que não veio! Internet? Nada! Acho que deu bug! Todos resolveram acessar o mesmo site ao mesmo tempo, por conta da chuvinha, claro! Bem, consegui almoçar, pequenas compras na rua, embrulhar dois presentes, tomar café da tarde, jantar, lavar pouca louça, tentar dormir, embora o fone tocasse com a penca de gente dando recado atrasado, ir ao Centro Espírita e agora dar uma de ma'am no face, afinal, eu dormi à tarde, postei fotos, não precisei de bolsa de gelo, nem de água quente, nem remedinhos, só chá! Porque chá, além do café, porque eu não existo sem café, faz bem! Acho que farei mais um! Pronto! Relatório feito! Agora à produção oficial de textos, enquanto minhas mãos puderem digitar! Porque os dias não esperam e eu me cansei de esperar pelos dias. Preciso das Histórias, destas todas, que enchem o dia. Muitas! Alteradas, inexatas, imperfeitas, mas Histórias. Comer, rezar e dormir é pouco. Há de se produzir, mesmo que enfeando a cabeça com tolices, pois delas também vivemos. Ah! Vi alunos trabalhando! Como é bom trabalhar! É feliz àquele que realiza atividades, movimenta-se, existe em si e para os outros também.
há 13 minutos · Curtir


Kátia Negrisoli Enfim, tentarei um miniconto, estava na ponta da língua, ontem à noite, mas a língua ficou dentro da boca e o miniconto escorregou. Sei lá, aonde foi parar, talvez no duodeno! Algo mais profundo, procurando o que fazer na acidez estomacal. Talvez a memória não suportou o que é curto e deu uma volta, dez cambalhotas e procurou outro texto, um pretexto para escrever dúzia de palavras, inúteis, podem ser, mas palavras, destas que enchem os olhos e a boca d'água.
há 11 minutos · Curtir


Kátia Negrisoli Então, nesta hora imensa de carinho imenso por pessoas também imensas, despeço-me deste perfil, que agora é público e vou para o outro, existir em outra dimensão. Porque um clique no de face-perfil para face-perfil é só um clique. E lá estamos, ensaiando outros eus. Aquele do lado de lá, poético; talvez mais verdadeiro, vem das profundezas confusas, talvez, sábias de todas as coisas deste eu. E depois, inventarei outros tantos eus para me desculpar.Claro! Nunca sou culpada! Inocente, sempre! E termino. E ainda digo: _ Esta net acaba com a nossa vida! 


k.t.n.*& in desatino prosaico. uma crônica do acaso.

Nenhum comentário: