Postagens

Cuida de mim

Virando o jogo: aqui é lugar de amor e de bons sentimentos, se é para viver, que seja com o melhor do humor e que os que não conjugarem a mesma energia, aguardem a sua vez de entrar nesta esfera de paz. A dor? Não posso evitar, mortal que sou, mas posso escolher o que sentir, o que continuar a gostar e a me envolver nos dias. Escolho as cores, o céu, as estrelas, o sol, o mar, a beleza indivisível dos olhos que falam quietos, o silêncio, as boas músicas, imagens, sabores, tudo o que a imaginação permitir e que seja criadora. Os chás, sim, os chás e sempre haverá um bolo para unir.


As nuvens esparsas, a chuva e o brilho, som de guitarra e melancolias mornas. Até para sobreviver precisamos de muito, muito agito e para viver, então, agito total. A mente quieta cede ao burburinho das senhoras falantes, ditando-lhes o que fazer na próxima aurora. A dança das pernas que saltitam e pululam em fagulhas, muita energia, simbiose de agoras e já passados que se entrelaçam e gritam na força e forma…

Escuros e vermelhos

A mente apavora ante ao incompreensível. 

Multidão de escuros e de vermelhos. 

Nota de uma nota 

só.

Encontro

Quando te encontrar,

da próxima vez

logo darei adeus.

Em um segundo.

Família

O que é uma família? 

O que se ama e não se compreende, 

o que nos burila e não se aprende?

Arroz-doce

Imagem
Tenho fome, muita fome.  Do arroz-doce quentinho,  da canela sobreposta no leite fervendo  e da doçura adocicada deste tempero. 

Tenho fome,  da barriga roncando no inverno frio,  das frutas suculentas no toque das papilas. 

Tenho fome.  Fome do chá intenso e forte,  vigoroso que venceu a água calorenta. 
Fome invernal,  de encher a barriga, a pança, a boca.  Do prato de peão com muita farofa, arroz e feijão. 
Carboidratos mil,  enchendo-me a razão  e dando força para amassar o meu pão.  Divina graça.

Portugal

Quando Portugal renasce é a fé que brota alheia / coisa boa de se esperar / na certeza de uma Fátima de mares que nunca vi / que ficaram nas retinas / de um tempo que já me esqueci.

sono

Você já perdeu o sono? Confesso que me esqueci / foram tantos e tão poucos / tanto faz e tanto fiz / mas dormi e dormi.