segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Frutas

Porque de frutas também vive o homem.
E de toda a palavra sã que sai de sua boca.
De intempéries cruzadas nas tempestades.
Habitadas por lobos e lobas famintos.

Adoçadas pelo mel em equilíbrio.
Constante bonança, fator esperança.
A taça colhe, recolhe, enternece.

Devolve numa prece, numa escuta, num Deus.
Um copo de cicuta, um barbitúrico qualquer.
A navalha da carne fibrosa partida em grumos.
A fumaça se esvaindo, o barulho da rua.

Era nua. Era lua. Era nua. Era sua.
Torpedo de cores! De vaidades despida.
Aliança perene e serena, a mulher serrana.
Era nua, era tua, era lua. Alquímia e paz.

In Catherine

Nenhum comentário: