segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Para mana 2

Quando estiver sem destino e quiser chorar,
Venha até aqui, encontre o teu lugar
Não há lado cruel que não se transforme.
Não há morte que nos separe.

Esmorecer, diante da vida, é sinal de solidão
De que o já feito, foi mal, tempo esgotado sem possibilidades.
Lutar, prosseguir, investir, soluções possíveis,
Na parada do caminho.

Vem! Sou teu refúgio, dar-te-ei abrigo,
Agasalharei o teu coração, terás ombro para recostar-te.
E se não quiseres ficar, deixar-te-ei partir.
Encontrar outro lugar, outros refúgios, outras moradas.

Mas, nesta casa de meu pai, há muito para ti,
Irmã querida, que quero bem...

Dalila.

k.

Um comentário:

Dalila disse...

OIEEE.....AMEI O POEMA....LINDOOOOO
SINTO SAUDADES DE VC....
ESSA MÚSICA ???MARAVILHOSA!!!!
te amo minha irmã....