sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Prisão

O espelho, o espelho que me segue, complacente e mordaz. Está ali, inerte, parado, olhando-me de esgueira. Penetra-me 

os recônditos, suga-me e devolve a metade provável do eu. Uma lição a não se esquecer. Dolorida. Vulgar. Costumeira.

E na volúpia das manhãs e noites, no claro e no escuro, volteio e olho nele os olhos que sugam. Penetro, avanço, destilo 

trincos, preencho os vãos e vou-me nesta aventura a soterrar-me, mais uma vez, dentro dele. Espelho de face, de corpo, 

de olhos, de boca voraz e impiedoso.


Tento voltar, tento voltar, inútil. Fechou-se o tempo. Fechou. Só o claro fora, da janela espraia, brilho tênue e salgado, 


como as lágrimas vertidas. E ele canta para mim. Agora deu de cantar, em cada manhã uma canção. Em cada noite um 

poema, estratagema. e me observa dormir, dono do meu sono, vislumbra-me no sonho. Abusado, sem receios, atormenta-

me na noite, seja fria, seja quente.

Nenhum comentário: