quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Mar e ameixoeiras




Se este mar me banhar toda
Chegarei a Portugal.
Lavarei todos os mofos
Comerei Camões e os líricos

Direi ao meu servo:

As ninfas brotaram no caminho.
Limparam os meandros
Para uma luta desigual

Olharei castelos e pedras
Palmilharei as plantas
Saboreando ameixoeiras
Direi de todas as canoas
Meu menino ficou,
Hei de levar!

Nesta busca luzidia
Os brancos das uvas todas
Fartando vinhos e pomares
Forte assim ao Reino
Jogando flores e farois
Olhando do alto da torre
Uma ótica de refletores

E o mar amigo de todos
Deixou peixes e algas salgadas
Em piscinas naturais
Beliscando com as ondas
Da pele aos dentes

Toda a sorte de amores.




Nenhum comentário: