domingo, 23 de outubro de 2016

Lirismos

Com quantos lirismos se escreve um poema?
Dois talvez?
Duplicado à quatro.
Insensato e desabonado
Por um corpo jaz a lira
Infante e bela ilha
Dos lírios e amarílis

Talvez, na pressa poucos ínfimos
Desejosos de saber paradeiros
Na curva do retrato alheio
Multidões de liras escapam
Sorrateiras enfrentam filas
Cruzam rios e ares
Fortalecem braços

Bocas carnudas vermelhas
Num tato sombrio
Com a lua virada
O poeta assombrado
Escolhe o poema.

k.t.n. in indizível chama

Nenhum comentário: