domingo, 18 de setembro de 2016

Ardor!


Ardor

O que resta agora?
Dormir e esperar
Talvez o amor aqueça
Dor demais arrefeça
O tormento dos dias
Entornando caldas...
Agitando retinas 

Espiraladas agonias
Espraiadas no dorso
Espirradas no vento

Sentimento atroz
Este vazio de mim
Perdida no tempo
Calçando melancolias
Medindo calçadas
Calcadas na voz
Pálida e inquieta

Retorna ao farol
Diminui milhas ocas
Prefere dormir
Cerrar os olhos,
Fascinar a Terra.

Embotar sementes
Encontrar o gesto
Ensaboar os olhos 

Fechar pálpebras e
d ..o .. r .. m .. i .. r 

k.t.n. in cansaço dos dias.

Nenhum comentário: