sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Fina e gostosa a chuva vai




Fina e gostosa

Chuvinha fina, gostosa, goteja na laje.
Meus pensamentos se esvaem com as gotas que caem.
Longe os tormentos passearam.
Hora de dormir, levar o sono ao relento da manhã.




A chuva insiste em gotejar meus pensamentos.
Dispersos em águas fraternais.
Entrego ao Pai, ao Filho e ao Espírito.
Meu santo nome em gotas imortais.



Ó vida futura que se derrama pelas calçadas.
O vento não geme, espreita a delicadeza deste som.


Um fio entre fios d'água caindo.
Lava telhados, lava paredes, 
lava os rios.

Um devagar, um sem pressa,
 a monotonia.
Da água batendo 
destilando poemas e amores estivais.


Vamos torcendo roupas esticadas em imensos varais.
Chuva depressa, chuva ligeira, chuva esparsa.



Acende em meu peito hora perfeita, 
delicadezas.
A paz que procuro no silêncio 
da noite.
Entra Dezembro, traz novo alento, 
lua e cetim.E um anjo dourado resplandece na palma.


E a chuva gozando
desce em prata ilumina frestas.
Ponho a dormir, a sonhar e em vaguidão
Nada específica um cálice a transbordar.




         k..t. n. in ritmo de chuva de verão

Nenhum comentário: