domingo, 14 de dezembro de 2014

Sombria noite


A doce página da vida
Reconhece a história quando  real
Imagina quando imaginária.
Não se apetece de diferenças,
Nem se apequena.
É louca e semicerrada
Fecha os olhos e sonha.

Afasta a cortina sombria noite,
Agitam-se serestas.
E pelas frestas pequenas,
fantasias douradas,
amarelas, solitárias.
De cores várias,
de medidas e tamanhos.

Nenhuma se arroga ser real.
Na ilusão das esferas
risca o esquadro.
Fere os olhos sós,
Sangra retinas,
salva o hálito.

É fera, é sono solto,
é bastão de bailarina.
A menina!
Ideia solta, vária,
desatinada, atinge o homem.
Seca, enxuga,
Termina,

... a menina!

Nenhum comentário: