domingo, 2 de novembro de 2014

Mimesis II

    Arte: Sérgio Genaro

É preciso pedir perdão. 
Navegar nestas bocas santas. 
Almejar o trato dimensionado.
Esquecer o furacão da alma. 

Urge fazer a palavra seguir. 
O dicionário florir. 
As flores-palavras-frutas 
brotarem do tronco. 

Há um não sei quê nesta hora. 
Uma faina, um labor. 
Porém, é preciso o perdão. 

 Antes que o mundo acabe. 
Antes que o terreno desabe. 
Antes que o vulcão cuspa 
suas lavas latejantes vermelhas crispadas. 

E o homem caminha, assim. 
 Imperdoável palavra na esfera do tempo. 
E não pede perdão, não pede perdão, 
não pede perdão. 

É homem apenas. 
Esqueceu-se. 
Deus teve pena, 
a memória falha.

É memória apenas!

k.t.n. in Finados*&

Nenhum comentário: