domingo, 1 de junho de 2014

Uma


A verdadeira primavera não aconteceu.

Somente uma vez na existência.
Transparente, florida, essência, vida.
Néctar de frutas colhidas no alto outono.

Derramados nas pétalas sésseis dos arbustos.
Incrementa pedaços de meses em auréolas do divino.
Enovela fios de cascatas nas passadeiras e correntes.
Encontro fatal de orgulho e morte, azar e sorte.

Destila o fel e o mel, dilacera feridas, cura tromboses.
Afia o fato, amola a faca, destila veneno, entorpece sentidos.
É ama primavera, dama intencionada em esferas.

Contínuas e paralelas eternecem em prece.
Ruborizam faces, elogiam partituras.
Fogem as agruras e todas as fissuras fecham!

Em prece, Primavera!
Neste Inverno de 2014!

k.t.n.*

2 comentários:

Osvaldo Heinze disse...

Você e esse teu belo coração! Obrigado por derrama-lo em forma de poesia para nós os sedentos de amor. Bjs amiga!!!

Kátia Torres disse...

Obrigada, Osvaldo Heinze, pelo carinho de suas palavras! Bjs!!