terça-feira, 6 de maio de 2014

Bebo Sol

Busco o Sol e ele me acena na curva do horizonte.
Redondo e fiel.
Todos os dias vem me ver.
Não vejo a sua sombra/
E sim, o amor espalhado pelas luzes.


A noite sorrateira o enterra.
Em gritos berra.
Brilha para a Lua.
Este fantasma noturno que assovia nas janelas das moças tortas.
Em mim, o brilho e a força.


A existência perfeita, a nata que vibra.
O som do Universo.
A prece do amigo.
O raiar de mais um dia,
Esperando para amanhã.


Eu bebo Sol. *
k.t.n. in revolução sistemática

Nenhum comentário: