domingo, 5 de maio de 2013

Dos presságios derramados.

O medo que revela é o mesmo que distrai.
Não leva a nenhum lugar, mas afoga pensamentos.
Torce sentimentos e envenena presságios.
As tormentas descem e azedam.
O leite derrama a dona de casa exclama!

Que euforia doida é esta?
Menina saia daí, é pressa, é pressa, é preSa.
As correntes consomem, torcem àsperas tornozelos.
Pés cansados e dormentes, tocam sementes.
Apenas nos dedos espinhos, é o medo que caminha:

s o z  i  n  h  o .

k.t.n.* in
dos presságios derramados.

Nenhum comentário: