Rosas

Às vezes as rosas são tristes encarnadas na dor.
Espoucam nos vasos artífices e jorram com o nosso amor.
O gelo na água não basta ao calor que exala o perfume.
Preciso de tua mão segura carregando feixes de rosas maduras.

Orvalhadas, despetaladas, ou densas rosas vermelhas-rubras.
Solapam os meus dias, tristes fardos, saudades intensas desmantelam-me nua.
Ficam aromas e insetos coroando tais negrumes e queixumes.
E onde a alegria bate o pino Sol desmantela-se em feixes

As escamas dos peixes, pés de sereia, mulheres de areia.
Na porta da casa chega, de mansinho, o teu hálito negro.
As negras rosas do vaso curavaram-se em pétalas chorosas.

O incontido do vale espesso inda diz da aurora fugidia
Das maçãs encontradas próximas o clamor de mãe e mulher.
As rosas lindas de outrora despetalaram-se nessa hora.

k.t.n. in rosas tristes.

Comentários

Anônimo disse…
Gosto de rosas.
Anônimo disse…
Gosto de Rosas
Kátia Torres disse…
Também gosto, de muitas rosas... todas!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Trovinha de querer bem!

Teu aniversário