segunda-feira, 11 de março de 2013

Dor

Às vezes dói, dói muito.
a sensação  é dum vazio.
uma espera.
um ato que não virá.
a primeira dor passou.
a segunda dor passou.
e todas passarão.
mas são muitas. infindas.
tocam a alma. perfuram.
gastam o gás o oxigênio.
permutam nossa fibras ópticas
e a desemensuram num gesto exagerado.

A terceira dor não veio.
espera ansiosa para a sua entrada triunfal.
é a dor derradeira. da despedida.
langorosa e tépida despedida.
dos homens de bem e dos que achamos do mal.
de todos os da Terra prometida.
de todos os tempos desde as cavernas.
criptas pontiguadas e clamorosas em cristais d`água.

Assim, são os tempos, assim são os dias e vamos nessa lenta melancolia cumprir as dores fatais.

Nenhum comentário: