domingo, 3 de março de 2013

Cadeiras ao vento, inspirada na obra de Luiz Cavalli

  Cadeiras no Vento 2007 100x120cm  - Luiz Cavalli


Pinte uma cadeira em que  possa me sentar e escutar o ruído do vento
  
Passando de mansinho pelas frestas dos matizes..

Uma cadeira de aurora e cristais violetas,

Para sentir na fronte o beijo do filho amado.

Outra pode ser mais clara e mais baixa e mais encorpada, 

Mas o conforto há de ser  maior que a forma.


Nelas sentar-me-ei nas tardes calmas e esperarei o amor de todos os tempos.

E amigos do vento seremos, das tempestades inóspitas que carregam folhas e pedriscos.

E a água tempestiva banhará fronte e verso e flores e pensamentos.

Cairá no espaldar desta ribanceiran e a cadeira altiva e forte estará lá. 


Quieta. 
   Ambulante e quieta. 


Espreitando a madrugada que se veste de amarelo, 

Espreitando a noite encaracolada nas hastes da oiticica passeada pelos gatos ambulantes. 

Prenda meu laço e meu tato. Ficarão nestas passagens. São viagens. 

Paraísos de dores naufragadas no vento ligeiro e brisa noturna, 

No suor passageiro que me prende a estas cadeiras.

K.T.N. % +&

Nenhum comentário: