terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Flores vertidas

Meus olhos vertem flores/
Procuram um Planeta desabitado (sem príncipe) /
Floresta encantada (sem mosquitos) / 
As bocas, ah, as bocas todas que tenho / 
Perfumam o Planeta / Essência sem graça 
 E inundam o vértice-oceano / 
Deságua num mar profundo e se dilui sabores / 

Meus olhos vertem amores e brilhos /
Encantamentos de fadas azuis / Lateja olheiras profundas e busca /
Sempre busca / 
Eterno arco-iris de lantejoulas /
Esparge a solidão em sombra / 
Olhos azuis assim nunca vi. / 
Olhos meus!/


 k.t.n. in braile e sombra.

Nenhum comentário: