domingo, 3 de junho de 2012

Pés

Eu te caminho em meus pés
Sinto-te sob meu jugo. 
Descarrego as frieiras,
Todas as coceiras!

E me defronto com o pássaro da morte,
Enviesado em cascatas de fumaça,
A espreitar a hora derradeira.
Costumeira das vidas nascentes.

A hora dos pés, dos pisantes.
Enormidades de verdades,
Alto-falantes.
Andantes.
Caminhantes,
Cantantes!

k.t.n. in marcha.

Um comentário:

blue star disse...

tais inspirada eim?..muito legal..adorei