quinta-feira, 12 de abril de 2012

Confluência

Confluência

Considera a passagem automática dos pontos
A confluência arbitrária dos teus atos.
A ideia da permanência é esquisitice
Mal-feito ficando mal-dobrado.

Analisa imensidão nesta fornalha.
Aquece e esqueça o martelo gasto.
Enriquece os poros de tintas frescas.
Aparece em contínuo movimento sutil.

As transparências relutam em pernoitar.
Querem ceder outras cores ao lugar.
Indiscretas mostram o manso mar imenso.
Trazem dálias, margaridas e não mais rosas.

Tiraram os espinhos, salvaram o sangue esvaído.

Ficou.
Um caminho.
Um tanto sozinho.
Acompanhado em ninhos.
Automaticamente tudo passou.

k.t.n. in treino poético.

Nenhum comentário: