sexta-feira, 23 de março de 2012

Paridos

Filhos paridos, filhos partidos.

Sentimentos profundos,

Saudades e imensidão nos olhos.

A procura da poesia esvazia este sentimento.

Embora o peito continue cheio deste lamento.

Onde o tempo e o lugar se fundem?

Onde a travessa de ondas que refluem a um mesmo lugar?

Esta fragilidade egocêntrica, este laço umbilical,

Náo quer se desfazer, um trato maternal,

... amor filial!


k.t.n. in fluxo

Nenhum comentário: