domingo, 1 de janeiro de 2012

Cadentes

Estrelas, estrelas, estrelas,

Do mar, do mar, do ar.
Estrela da fonte fagueira
Estrelas das vias domingueiras.

Nas pontas das festas és guia
Na rave poeta alegria.
Estrela de ponta cadente
É assim, estrela redonda e contente.

Pinta o ceu no arco-íris,
Pendente a via carente.
Ativa sabores e guia,
Estrela tu és minha parente.

A Dalva do ceu não sabia
Que o homem cá embaixo bordava
O ceu mais pungente dormente
Prá estrela cair de contente.

A vida sem festa notou
O fato a dor e a presença
A estrela voltou reluzente,
Tão estrela de velas cadentes.
Trincho o prato entredentes
Sinto-te toda entrementes.

A vela acabou no Sol ardente,
Lá no mar, no mar, no mar
No alto-mar estrela da gente.
Cadente, cadente, cadente.

k.t.n. in canto

Nenhum comentário: