terça-feira, 27 de setembro de 2011

Não

Somos a pressa.
A pressa que não se cansa.
Interessa prodigiosa pelos encantos.
Esfaima a ínfima paineira de recônditos em folhas.

A pressa, a pessoa!
A pessoa, a pressa!

Assim, vai ...
Assim vamos.

Encantamos.
Buscamos.

Fazemos do ser perene.
Mutação e decisão.
Do ser de carne, multiforme.
Nesgas negras na escuridão.

Apalpa o leite.
Refolha a semente.
Tange o gado errante,
Na palhada da fria grama.
Encosta o sal à palma e tinge.
Muito verde, neste andar.

Apressa a pressa.
Negócio de não ficar!!

k.t.n.*

Nenhum comentário: