segunda-feira, 20 de junho de 2011

Rumo




A embarcação ruma longe deste mastro,
procura outros países,
Outros rastros.
Teima pelo mar, queima óleo, traduz pavios,
São navios,
Que aportam em outros cais.

Portugal, deixei-te atrás, doutros mares pertencem
Esta feita.
Procurar pelo Brasil samba e trejeito, morenices, quindins,
Pacientes amarradinhos, chocolatinhos deste torrão
Deixo-te, solto amarras e parto.
Levo comigo alegria e suposta saúde.
Tenho enfado por bolor e mofos, quero luz.

E enfrento as costas d'águas, tão cinzentas,
Transformadas em muitos azuis.
Tons em pele, tons em partituras, Tom
das cordas do país Sul, do país novo,
Criança despertada, gigante adormecido,
E te crio esperança bendita,
Limo e parto, mares outros são.


k.t.n. in rumo

Nenhum comentário: