domingo, 15 de maio de 2011

Saído do forno

Sábado

Destesto esta ânsia de amor tardio,
Este sábado que empresta vontade, desejo
que se quebra domingo a domingo
e se restaura na segunda à tarde.

Detesto esta melodia insindiosa das paixões melodramáticas
Esta insistência permanente de verdades,
Estes aromas todos perfumados doces,
a quintessência do barroco ditoso de outrora.

Ah, se a modernidade foi vã,
Criemos em contemporaneidade nada cristã
Novos novelos, novas formas, formas serenas.
Distantes do olhar sátiro, distante de Procusto.

Meus pés guardo a mim, em formas que crio.
Não me submeto às tuas formas cinzentas.
Sou mais cor, nada de bolor bolorento.
Pinto o Sol e espero o inverno com cores outonais, destilando primaveras,
Arco-íris de esferas brilhantes.

Doce Pã, primavera tardia.


k.t.n .*

Nenhum comentário: