sábado, 20 de março de 2010

Estilhaços

Em mil faces, vi-me quebrada.
Em estilhaços, senti-me partida.
Em mil feridas resumi a vida.
De tudo um pouco um fato louco.

Juntei pedregulhos, preguei em pregos.
Afetuei-me aos presságios, fiz-me em regresso.
Amontoei os rastilhos, o que pude, o que ficou.
Encontrei novo rosto, rosto novo de amor!

É fato, é urgente, é amor, é contente.
É pressa, é esgotar mais uma vez uma face.
Em mil partidos, um só mais uma vez ente querido.
É a espreita afobada, a menina roubada.

No colo oferece a prenda do dia.
No gesto permanece, cadência, água fria,
Mãos quentes, ou geladas, não importa o fato.
Importa o que permanece e mostra outro dia!

k. in urgências.

Nenhum comentário: