sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

LUIS Serguilha in english (de 'embarcações')

OLÁ AMIGOS(AS)

AO CONTRÁRIO DA OPINIÃO DE MUITA GENTE ...OS MEUS POEMAS SÃO "TRADUZÍVEIS" ....ESTÃO A CHEGAR TRADUÇÕES EM ESPANHOL, CATALÃO E AGORA NA LÍNGUA INGLESA ...AQUI VAI UM POEMA






Luís Serguilha




*

With these burning signals of fractured cisterns
is that immoderately I enamor the sulphated arcades of the
invention
with these gloved lines of interrogatories
is that I finger the knifing of waters in the gallops of the your splendorous breasts
as the happy hesitation of the mouths in the distribution of the
necessary deepness to the lifting of the pulmonary mulplication
and the craters of the merles button the consonants of the food
avid of hosts
where I denude the deflected start of the colossal fruit
upon the impermeable traingulation of the hirsute stain
The paths of the voluptuous crack move about in the railing
unbalanced of the maritime vigilants
and the solar rigour entrusts the vertical comemoration of the shadow to the
magnets of the reconstituted handle
by the paintings of the antidote of the pomes
to conjugate the rupture of the wave of a minuscule galaxy to the
jewelry of the famished trees' grove
and the estrategic interstices of two bodies rise
disguised of incommunicable liquens
between the unexplicable blindness of the leopard
and the fulminated rugosity
by the unforesseable contagion of the light
intensively brunet
The imminent rhythm of the journey now is brush of the
extensive vocable to redouble the most difficult profile of the daybreak
rigourously hemmed of instantaneous flowers that
reach meticulously
the alternative wealths of the reconciled windows
seem the alacrity of the translations in the throne of the
birds
strangely adjusted to the casual deluge of the
ciclonical embouchures










translation. by Leonardo de Magalhaens


fev/10
















É com estes sinais abrasadores de cisternas fracturadas
que imoderadamente enamoro as arcadas sulfatadas da
invenção
é com estas linhas enluvadas de interrogatórios
que tacteio a facada de águas nos galopes dos teus seios esplendorosos
como a feliz hesitação das bocas na distribuição das
funduras necessárias ao levantamento da multiplicação pulmonar
e as crateras dos melros abotoam as consoantes do alimento
ávido de hospedeiras
onde desnudo o começo flectido do colossal fruto
sobre a triangulação impermeável da nódoa hirsuta
As trilhas da fenda voluptuosa agitam-se no gradeamento
desequilibrado das vigilantes marítimas
e o rigor solar confia a comemoração vertical da sombra aos
imanes das empunhaduras reconstituídas
pelas pinturas do antídoto ds romãs
para conjugar a ruptura do aceno duma minúscula galáxia às
joalharias do esfaimado arvoredo
e os interstícios estratégicos de dois corpos sobem
disfarçados de líquenes incomunicáveis
entre a cegueira inexplicável do leopardo
e a rugosidade fulminada
pelo imprevisível contágio da luz
intensamente morena
O ritmo iminente da travessia já é um pincel do
extenso vocábulo a redobrar o dificílimo perfil da madrugada
rigorosamente debruada de flores instantâneas que
alcançam meticulosamente
os haveres alternativos das janelas reconciliadas
parecem a alacridade das translações no trono dos
pássaros
estranhamente ajustado ao dilúvio casual das
ciclónicas embocaduras














in: EMBARCAÇÕES (2004)






Luís Serguilha

2 comentários:

Fada do Mar Suave disse...

Fantástico o texto de Luis Serguilha!
Sempre emocionante e admiráveis suas palavras. Parabéns, Kátia, por trazer
um escritor sensível e inteligente para nossa leitura. Seu Blog está maravilhoso.
Beijosss

maria tereza disse...

parabens pl s trabalho..o blog esta otimo..obrigado katia pl indicaçao