Sufoco

A hora pede, a hora grita.

Hora de voltar!Passar a porta, atravessar soleiras,

Estancar a correnteza, conter os diques, amainar em lago o fluxo.

Respirar compassada, respirar e aspirar o ar fresco da manhã,

A pleno pulmões no café salutar e improvável da metrópole.

Há café. Há pão. Há queijo. Há presença e há ausência revisitadas.

Todas.

Não te assustes, não te atemorizes................ a veia original verteu o essencial, à continuidade salutar.

Não temas, há café.

Não temas, há metrõ, há metros de filas, todas esperando o torrencial sinal de passagem, o destino da imensa viagem.

Protagonistas, segunda classe, todos estaremos de viagem. Pára a estação, para as Embarcações, para as infrutescências, para as malemolências produzidas no coletivo.

Só, entre todos. Não só, uma visagem! Bela paisagem. Coisas do Brasil!

k.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A festa

Sombra de eucaliptos