sábado, 27 de junho de 2009

Para Fabrício

Saudades de um filho que não partiu, mas como parte o peito!
Saudades do meu pedaço, das mãos mais lindas que estes olhos puseram vista.
Saudades do seu rosto, dos seus olhos, do seu andar, da sua indiferença em atenção

Saudades de Fabrício já sentidas. Saudades do meu pedaço, anjo louro.
Branquinho, sorridente, criança meiga, alegria presente...
Saudades, meu filho, saudades imensas, nem bem te ausentas e já sinto.
Nem te vais e já pressinto.
Nem te apartas e já invito a imensa volta ao coração materno.

Soltar laços, desfazer contratos, assumir novos retratos, meu filho amado, és prenúncio de homem em barba por fazer, em riscos por correr....
Volta pra casa, antes da partida, volta pra casa, antes da despedida...antes do anoitecer.

Põe os teus olhos mais umas vezes em tua mãe...
Acerca-te os teus lados, ajeita os cabelos desalinhados...
Provoca em riso minha fúria em brincadeira adoslescente.
Joga-me no chão, puxa-me, dá-me tua mão... as mãos mais lindas que estes olhos puseram vistas.

Amo-te por toda a vida, primavera dos meus dias!

Mama

Nenhum comentário: