sábado, 13 de junho de 2009

Reconstrução


O sono tirado, o perfume roubado, o passeio inacabado, o afeto atrasado
foram resgatados e administrados em dias de sol, em passeios outonais, em matinais poesias, em rendas de alquimia, em estados de fantasia.

Na pele o sol, no rosto o lar, nos olhos os azuis oceÃnicos das estrelas-do-mar.
Na perna o segredo, nos dedos o gosto, na boca a frescura dos ares de junho.
Nos braços o terno sagrado do encontro amigo, a magia da hora,
Da campina breve.

Trouxeram-me tudo, o rei e a rainha, trouxeram-me a côroa e o cetro de ouro,
Deram-me embalados em caixinha de música o eterno sentimento, a ternura, a infância.
Nas flores dos teus cabelos, na barba do seu asseio, os pequenos ajeitos, o gesto canino, festeiro e preguiçoso, pedindo carne e osso, entregando meus segredos.

Nas crianças das passarelas, nas calçadas indiscretas, rola a roda da bicicleta,
Vai de festa em festa, de pedal a pedal, no caminho das buganvílias, rosas de jardins aromáticos, esquecidos nos canteiros.

Vai, a menina, vai!

k.t.n

Um comentário:

Sou a Rosa. disse...

Que lindo!
"...O sono tirado, o perfume roubado, o passeio inacabado, o afeto atrasado
foram resgatados e administrados em dias de sol, em passeios outonais, em matinais poesias, em rendas de alquimia, em estados de fantasia..."
E tem gente que se perde achando que é o fim! Quando apenas, pequenas mudanças nos habitos, outras imagens podem mudar a cenas dramáticas e tornar distantes as constantes guerras de nossa agonia!
Outra obra linda!!!
Parabéns!