sábado, 18 de abril de 2009







As flores das 9 horas

Em degradê generosas
Atravessam tuas grades
Pronunciam-se nas frestas
Cantam alegres as manhãs

Flores das 9 horas
Sorriem felizes seus matizes
Neste instante, engrandecem
Vertem preces as infelizes

Do relógio da matriz
Mostram o rosto e faceiras
Encantam pobres passantes
Beligeram longe dali

Frágeis e singelas
Esperam pacientes
A hora de dormir
São flores de esquinas,
pequeninas engrandecem
e floriem para ti.

k.t

Um comentário:

Fada do Mar Suave disse...

Parabéns, Kátia!
Seu blog está cheio de poesias e beleza. Muito bom visitar você.
Beijosss