domingo, 1 de fevereiro de 2009

Assim, em agosto.

Inspirada em Rita K.

Então é assim... num campo vasto sem cabeças,
Na noite aflita a luz indica dos passos cambaleantes às ruas poeirentas.
Então é assim... decapitadas para servir ao outro.
Vontades próprias ignoradas, desejos certos servindo à mesa.

Na noite, a revelação, dos atos a confusão.
Buscando, achando, encontrando... a alegria de novo ser.
De novo estar, cada qual em seu lugar.
Provendo à mesa posta, o disposto, com gosto.

O talher certo, o prato cheio, a cabeça vazia.
Um gosto de verdade, um gesto sem maldade.
Tomando o que é seu, trazendo o meu 'eu'.
Estou de volta. Como gosto de mim!

Cabeça no lugar. Mulher, vá se deitar, na cama dos amores.
Costurada a retalhos, ajeitada, muito cuidado.
Dobrado, amassado, esticado, retalhado.
É assim, que componho a mim. Como amo e não me engano.
k.t.n.
31/08/2008

Nenhum comentário: