terça-feira, 30 de dezembro de 2008

O Sol e a Canção

Eu te dou o Sol, porque não pude te dar a Lua

Eu te dou o
Sol, porque não posso estar em fases suas...

Eu te dou o Sol, porque ele descobre o inatingível...

Desvenda os sortilégios, o incontável, o imprevisível...

Quisera, eu , dar a Lua.. mas ESTA
é bordada, prateada em firmamentos,

Esta é de poetas, fingidores de sentimentos...

Fica com o Sol... não queima, não destrói... é vida em raios penetrantes...

É amor que não se conta... é esfera em raios tantos... é verão em maio errante...

k.




Espero a sua
canção, meu amor...

A sua canção angustiante...

a sua canção palpitante...

a sua canção de nós dois...


16/04/2008
Nossa história se divide

Entre fim e começo...

Entre laço e firmamento.

Entre espera e contentamento.


Nossa história é assim

É história de nós dois..

De um trato renitente.

De amantes penitentes.

Sem razões e sem ter fim.

Tua espera de mim é o início.

Minha espera de ti é a face do avesso.

Nossas mãos unidas é um grande recomeço.

Nossos pensamentos atingidos

É beleza premeditada pelos céus em copos guardados.

Nossas tristezas em alegrias se transmudam em fantasias.

Em sonhos em grandes folias...

Ai, quem dera melancolia...

Ah, quem dera a tarde fria!!!

Bjs no seu coração...

Meu visitante,,, amante errante...


k.t.n.


O Sol me ilumina e me aquece
No horizonte, nenhuma luz padece
Eis que em prece a Natureza conspira
E me inspira e transpira e anima.
kisses.




Nenhum comentário: