terça-feira, 30 de dezembro de 2008

... lírios ...


Entre Lírios...

Não queiras roubar no teu abraço.
Não queiras quebrar no teu braço.
Laços feitos, presos em fitas.

Não queiras desfazer o dobrado,
O já dito, em partidos, ajeitados em nós.
Colorir, impingir a tua cor.

Qual é a cor do amor?
Vermelha, talvez, convenção?!
Rosa, ternura, atenção?

Não queiras colorir em único tom.
A cor emana da aura, a cor emana do amor.
E o amor quando puro e profundo não tem cor.

É ausente, enobrece, recolhe, escondido fica,
qual pedra preciosa, presa em laço de fita,
guardado numa caixa, uma caixa suntuosa,
chamada tão somente de Razão!

Acorda, é hora! Acorda, é tempo!
Apóia nas tuas mãos, na direita o cajado,
Na outra, o lírio dos abismos.

K.t.N.

"Em razão do meu amor
Em caixas de papelão."

Nenhum comentário: