terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Dos dias ...

Na largura dos dias e na estreiteza dos pensamentos.
A firmeza se perdia, tal qual estrela no firmamento.
Na lonjura das tardes, nas agruras das penas.
Um pouco do nosso rosto, um pouco do seu tormento.

Na antecipação da morte fria, no rosto desfigurado.
Um pouco do traçado do sangue derramado.
Um pouco de silêncio, do silêncio assustador.
Que se fez após o baque, pior que baque de tambor.

Na estrada se perdia, tal qual a curva assim sumia.
Na estrada compartia, tal a dor igual langor.
Encurvado, velho e triste, levaste de dedos em riste.
Pior cajado, pior cuidado um seu tanto derramado.

Encurvaradas ensimesmadas curvou a tarde atropelou a noite.
Então novo se refez, em tal parte se espalhou.
Não houve quem naõ notasse notas claras apertadas.
Transparentes derramadas em seu cui
dado, o meu tão bem.

k.t.n.


Tente me apanhar,
Tente me pegar.
E o que mais lhe ocorrerá
Serão rastros de luar.

Tente me apanhar,
Tente me pegar...
E o que mais lhe sucederá
Ninguem ousará contar.

Tente as hóstias todas
Tente o pensamento
Tente sente e tente
O máximo não levarás.

Tente me pegar.
Tente me tomar
E o máximo que conseguirá
É perdido ficar.

Kissesssssss.




















Entre em dia de bater...
Entre sem ninguém perceber...
Deixe as flores na soleira...
Poucas flores é besteira...
Muitas entre dias inteiros...

Entre, sente-se ,,, tente...
O mais que pode dividir...
O mais que pode me pedir...
O mais que posso ofertar...

Entre, o problema se concentra
Nas portas entreabertas
Insensatas, inexatas ou fechadas
Quase nada...

Entre sente tente sente...
É poesia pura ... vem alegrar teu dia...!!

By... k.t.n.


04/03/2008

Este sentido que me viola
Encanta em minh'alma e se espraia
Este vestido encolhido
Farfalhante, esvoaçante, insinuante...

Esta brancura que atrapalha
Transparência em alma inteira
Vidraçaria onde nada quebra.
Vidreiros, vidrilhos tt brilho.

É minh'alma errante...
Pensante , anunciante... do milagre da vida... da despedida...

Enviando em cartões, para outros caminhos...

Dores em borbotões, a habitar outros ninhos...

È a alma aberta... o encontro... o possível...

É a manhã... é manhã,,, chegou.... o ontem... chegou...

Que felicidade!!


12/06/2008




Nenhum comentário: