terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Coração





Tum, tum, tum

tum, tum

tum...

tu

t.


k.








O meu coração não é de pedra
O meu coração não é = ao seu
O meu coração não se conforma
E transtorna e a ti torna
Em carinho ke não morreu....

19/01/2008




Cintila em verbo

Cintila em cores
São vãos amores
São lágrimas
São escuridão
É ternura,
É paixão
São seus olhos
Na multidão!!

k.t.n

As pedras endurecem um coração
As pedras mudam o rumo de uma nação
As pedras incomodam, dor-de-cabeça dão
As pedras, sempre pedras, contornadas
Embaladas, detonadas, tornam pedras.

Pedras!Dureza, firmeza... entristecem o dia.
Pedras... fineza, certeza, 'robustecem' a fantasia.
Pedras gentileza em roupa gasta
São farpas em sedas fartas...
Pedras... atiro-as longe de mim...

Voltam e revoltam em meu jardim
Preciso cobri-las ... preciso vesti-las.
Preciso descobrir o que querem de mim.

21/01/2008
Coração e solidão
Dentro do peito do poeta
Quente bate, quieto pede
Paz e mansidão

Ah... este lugar
Ausente e permanente
Avisa aos inquietos
A hora certa de parar

A hora exata de buscar
Ou de deixar um tal lugar....

k.t.n

23/01/2008


Gire, na dança da vida.
Não economize espaços.
É feito de aço.
Inoxidável, anticorrosivo... antipestilento;
É forte ao baque, resistente ao tum-tum-tum diário.

È maior, supera a vã imaginação.
E esfera entre quadrados.
É força estando mutilado.
É razão em minha canção.
Beleza, revelada em paixão.


02/06/2008


Nenhum comentário: